CRISE: POR QUE ELA VEM?

Em momentos de dificuldades nós sempre nos perguntamos: Afinal, porque essa crise vem sobre minha vida? A verdade é que crises sempre virão, e analisando nosso próprio sistema capitalista, a crise, pelo menos a econômica, passa a ser necessária para a sobrevivência do mesmo.  



Quando o cristão enfrenta algum tipo de crise é comum que seja julgado por estar passando por problemas difíceis. Nesse sentido, não coloco esse “julgamento” somente no sentido pejorativo do termo, mas em um sentido de opinião mesmo. As pessoas falam sobre as outras e nem sempre isso significa uma fofoca, mas se torna um assunto, um tema para se pensar. A exemplo disso temos os dois discípulos no caminho de Emaús (Lucas 24.13-18). Eles comentavam a respeito da morte de Jesus e por qual motivo tudo teria acontecido daquele jeito. 

Portanto, nem sempre os comentários sobre o que acontece ou deixa de acontecer na vida dos outros tem algum sentido conotativo ruim, mas independente disso temos que tomar cuidado ao fazer comentários sobre os outros. Nem sempre seremos entendidos da forma que gostaríamos de ser. 

TIPOS DE CRISE 

Na Bíblia as crises vieram por vários motivos e o primeiro deles foi a desobediência (Gênesis 3.6). Adão e Eva entraram em crise ao desobedecerem a ordem de Deus para que não comessem do fruto proibido. A atitude errada do casal fez com que eles experimentassem a ausência de Deus em suas vidas. Essa é a “Crise Espiritual”.  

Esse tipo de crise pode nos acometer, pois quando pecamos, nos afastamos de Deus e enfrentamos dificuldades espirituais. Tais dificuldades nem sempre são um castigo de Deus, mas uma investida do inimigo contra nós. Enquanto Satanás se aproveita de nossa debilidade espiritual para nos atacar (1 Pedro 5.8), Deus nos dá tempo para que nos arrependamos (Apocalipse 2.21, Efésios 2.4). 

Para vencer esse tipo de crise é necessário que nos arrependamos e deixemos a prática pecaminosa. Provérbios 28.13 diz: “O que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia”.  

Se você está nessa situação ore e peça a Deus para lhe ajudar. Pode ser que nos primeiros dias sua oração pareça ineficaz, mas não desanime pois Deus estará sempre te ouvindo. Acredito que em poucos dias seu relacionamento com Deus será reestabelecido.  

O tipo de crise declarado acima se relaciona com a “Crise Consequencial”. Como consequência do pecado de Adão o homem teve que preparar a terra para que esta produzisse seus frutos (Gênesis 3.17). Do mesmo modo, Jaco sofreu consequências por ter enganado seu pai (Gênesis 27.19). Ele teve que fugir da ira de seu irmão e também foi enganado por seu próprio sogro (Gênesis 29.25), tendo que trabalhar 14 anos por sua amada esposa. 

Há crises que nos acometem apenas para provar o nosso próprio coração (2 Crônicas 32.31), para provar nossa sinceridade. É a chamada “Provação”. Esse tipo de crise pode durar por muito tempo e o segredo para passar por ela é permanecer fiel a Deus. Foi isso o que aconteceu com José (Gênesis 39-40) e com Jó (Jó 1-2), por exemplo.   

Outro tipo de crise apresentada nos escritos bíblicos é a “Crise Natural, Política e/ou Econômica”, muitas vezes ocasionada por eventos da natureza ou por uma má administração. Quando esse tipo de crise bate a nossa porta devemos procurar fazer a nossa parte e confiar que Deus fará a Dele e nos ajudará. 

No capítulo 32, do livro de 2ª Crônicas, o rei assírio, Senaqueribe, procurou invadir Jerusalém. Sabendo disso, Ezequias, o rei de Judá, se preparou para uma possível invasão. O texto relata que Ezequias consultou os chefes militares (v.3), criou um plano estratégico, construiu torres (v.5) e consertou as muralhas da cidade. Entre outras coisas, Ezequias ainda mandou fazer mais armas e organizou seu exército. 

Esse texto revela que na administração de nossa vida e de nossa empresa devemos fazer a nossa parte e não simplesmente espiritualizar nossa relação frente questões adversas. No entanto, isso não quer dizer que Deus deva deixar de ser o centro de tudo o que somos ou façamos. Pelo contrário! Deus viu o preparo do seu povo para enfrentar aquela dificuldade e acima de tudo viu também o coração sincero de seu rei. 

Ezequias disse ao povo: Esforçai-vos, e tende bom ânimo; não temais, nem vos espanteis, por causa do rei da Assíria, nem por causa de toda a multidão que está com ele, porque há um maior conosco do que com ele (2 Crônicas 32.7). 

Sabe qual foi o resultado dessa guerra? O exército de Judá não teve que lutar, todos os soldados de Senaqueribe foram mortos e ele voltou envergonhado para a Assíria (v.21). 

Frente a este tipo de crise devemos nos planejar, criar estratégias, procurar o auxílio de nossos parceiros, ser corajosos e sempre contar com a ajuda de Deus para nos livrar e dar direcionamento sobre o melhor caminho a ser seguido.  

A CRISE COMO OPORTUNIDADE 

Cada uma das crises apresentadas nos gera sempre desafios, mas o melhor é compreender que, nesse contexto, há também oportunidades.  

No sistema capitalista há competição entre as diversas empresas de um determinado seguimento e isso independe de uma crise econômica como a que vivemos no Brasil. Mesmo o mercado tendo boas perspetivas é possível que sua empresa passe por uma crise qualquer.  

Como parte de uma postura estratégica, para se estabelecer no mercado e vencer a concorrência, médias e grandes empresas fazem uso da Matriz SWOT que consiste na análise de seus pontos fortes, pontos fracos, ameaças e oportunidades. Para conhecer essa matriz acesse o link: http://www.portal-administracao.com/2014/01/analise-swot-conceito-e-aplicacao.htmlEssa matriz vai mostrar ao empreendedor que toda ameaça gera também uma oportunidade. 

Assim, se nós ou nossa empresa passa por algum tipo de crise é necessário que avaliemos os motivos da crise, nossas fraquezas, nossas forças e as oportunidades possíveis. As crises de José o levaram a ser o governador do Egito e também fazer com que aquele reino fosse ainda mais rico (Gênesis 41.57). Ezequias pôde glorificar o nome de Deus e provar que o Deus de Israel é maior que todos os outros (2 Crónicas 32.14)! Jó provou seu valor e foi ainda mais abençoado (Jó 42.12).

Da mesma forma, quando nos encontrarmos em crise, devemos buscar passar por ela como num processo de aprimoramento para o bem, sendo humildes e reconhecendo a soberania de Deus em todas as coisas. Que Deus possa nos dar sua graça para vencermos todas as adversidades.

Se estiver passando por alguma crise, ouça esse hino, Deus vai te animar: